Nas malhas da heroína e da cocaína

Nunca saberemos o verdadeiro valor de uma segunda oportunidade a não ser quando dela necessitarmos. Nuno vivia uma vida sem regras, obedecendo apenas à saciedade dos seus vícios.

“Estive agarrado à heroína e à cocaína durante dois anos e dez anos a fumar cannabis. Esta situação causou-me vários problemas familiares, pois, devido a este meu problema afastei-me da minha família, não me sentia bem junto deles. À data, eles já frequentavam a Universal, então, isolei-me.”

AJUDA. A minha mãe tentou ajudar-me, levando-me à Igreja, mas eu não quis. Em casa, ela também tentava ajudar-me a abandonar os vícios, mas cheguei a fugir pela janela. Ela já lutava por mim para eu mudar de vida, só que eu não aceitava. Foi uma luta de 10 anos.”

LIBERDADE E PRISÃO. “Através de um propósito que a minha mãe fez por mim, fui à Igreja e libertei-me de todos os vícios, abandonei-os a todos. Com o tempo, como já estava bem, deixei de ir à Igreja, porque achava que já não precisava. Porém, voltei aos vícios não da droga, mas do álcool e das noitadas. Entretanto, acalmei um pouco e casei, mas sem nunca largar o vício do álcool. Aconteceu um episódio em que eu estava totalmente embriagado e acredito que envergonhado, pois cobri-me com um manto. Estava presente a minha mãe, a minha esposa e o meu filho… e eu ali naquele estado.”

2ª OPORTUNIDADE. “A minha mãe trouxe-me pela segunda vez à Igreja e, nessa altura, aí sim, entreguei-me a Deus de corpo, alma e espírito. Sentia uma grande pressão sobre mim, chorava dia e noite e… ou eu mudava de vida ou acabava tudo… não tinha nada a perder. Foi, então, que vi Quem realmente era Deus!

Desde que houve a mudança na minha vida, desse dia em diante só tive paz e amor em mim e os vícios cessaram. Quando a minha vida começou a mudar, fui promovido a supervisor, a minha visão mudou e estou a começar a trabalhar por conta própria. A minha vida foi toda transformada e estamos todos na presença de Deus.”

Nuno Oliveira, Universal Santarém

Fonte: Folha de Portugal