Seria o suicídio o fim dos problemas familiares?

Em três diferentes ocasiões, Maria Augusta tentou pôr fim ao sofrimento pelo qual a sua família passava, pois acreditava que, acabando com a própria vida, acabaria com tudo

Conhecer a IURD foi determinante para que a vida de Maria Augusta tomasse um novo rumo. Pautada pelo sofrimento constante, a mãe de família sentia-se, literalmente, submergida pelos problemas que tinha.
“Eu tinha muitos problemas de saúde, que depois descobri serem de origem espiritual. Estes problemas, consequentemente, traziam outros problemas para o meu casamento. Por causa desta situação, existiam muitas discussões com o meu marido, o que agravava os problemas na minha família, acabando por afetar os meus filhos.”

Durante anos a fio, Maria Augusta teve que suportar a sua existência sofrida, e foi devido a toda esta situação que acabou por tentar três vezes o suicídio, felizmente, sem ter sido bem sucedida.
“Para resolver os problemas, percorri muitos caminhos, todo o tipo de médicos, os melhores especialistas, inclusivamente, acabei por recorrer a bruxos, ou seja, fazíamos de tudo para resolver os problemas que afetavam a nossa família.”

PAZ NA FAMÍLIA. Foi apenas quando conheceu a IURD que a vida de Maria Augusta começou a mudar. “Venci os problemas espirituais e, desta forma, os problemas de saúde foram resolvidos.

Os problemas familiares também foram resolvidos, já que as discussões deixaram de existir, como resultado, passámos a ter paz na nossa casa, que acabou por se refletir na convivência com os meus dois filhos.
Hoje, somos uma família feliz e abençoada. O meu filho conheceu a esposa na Igreja, são casados há 23 anos e tenho uma neta.

A minha filha também há 12 anos que está casada e deu-me mais dois netos. Hoje, posso dizer que ‘Eu e a minha casa servimos ao Senhor’.”

Maria Augusta Filipe ,Universal Cruz de Pau

Fonte: Folha de Portugal